O transporte aéreo de carga vem registrando não apenas números positivos nos últimos anos, incluindo os de pandemia, mas também apresenta uma diversificação maior das cargas. Se antes era restrito a itens de alto valor agregado e perecíveis, agora vem sendo usado até para o transporte de grãos e insumos agrícolas. Claro que em uma proporção infinitamente menor do que o volume de carga transportada por outros modais. 

Outra mudança importante aconteceu em decorrência do crescimento do e-commerce. As empresas de logística precisaram descentralizar os centros de distribuição e espalhar pelo país a fim de ganhar velocidade de entrega, um dos diferenciais da venda online. Com isso, a movimentação aérea também foi beneficiada, velocidade de entrega só com transporte aéreo e uma excelente estrutura logística regionalizada. 

Em paralelo, temos visto surgir em todo o mundo novas empresas aéreas cargueiras e incorporação de aeronaves cargueiras às frotas das companhias aéreas regulares, que já utilizam os porões das aeronaves de passageiros. Isso deve-se à demanda elevada. 

Ou seja, estamos diante de uma tendência sem volta e o Antares Polo Aeronáutico vai fazer parte disso em breve. Não só pela localização privilegiada, no centro do país, mas também por oferecer a possibilidade de construção de hangares e centros de distribuição próximos da pista de pousos e decolagens. Estamos de olho em toda essa movimentação de mercado, não é à toa que criamos um conceito novo, o polo aeroportuário.