A aviação comercial é responsável por cerca de 3% das emissões mundiais de carbono, e o setor enxerga no uso de combustível de aviação sustentável (SAF) um passo importante para atingir zero emissões líquidas de CO2 em 2050. Novas tecnologias e o desenvolvimento de diferentes processos têm formado uma nova geração de biocombustíveis, e a transição para uma economia de baixo carbono funcionará como um impulsionamento para o mercado. 

Segundo o cofundador da Soleum, empresa brasileira dedicada à produção de matérias-primas sustentáveis, o Brasil deve ser um grande motor da sustentabilidade no setor de transporte, por sua capacidade de ser protagonista na produção de matéria-prima.  

Ao substituir o carbono pelo uso do biogás –  juntamente com o hidrogênio verde, que é produzido a partir de água e energia renovável-, a iniciativa cria uma nova rota tecnológica para fontes alternativas de energia. Ainda mais: todo o território brasileiro tem disponibilidade de biomassa residual, e a utilização de biogás no setor de aviação e transporte pode ser replicada em todo país.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) prevê que o SAF – também chamado de bioquerosene – responda por 65% da mitigação necessária da emissão de carbono no setor de aviação.